Crianças em fase de alfabetização foram as mais afetadas na pandemia, aponta estudo – André Gomes
Siga nas redes sociais

Política

Crianças em fase de alfabetização foram as mais afetadas na pandemia, aponta estudo

Crianças em fase de alfabetização foram as mais afetadas pela pandemia do novo coronavírus no Brasil. O apontamento é do Fundo de Emergência Internacional das Nações Unidas para Infância (Unicef), que mostrou ainda que o número de estudantes sem acesso à educação neste período aumentou em 15%. Nesta quarta-feira (8), Dia da Alfabetização, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB) lamentou que a área siga sem definição de retorno na rede pública de ensino da Paraíba e também em outros estados do país.

“O tempo tem passado, mais um ano indo ao fim e parece que ninguém de fato se importa com o retorno das aulas e com o prejuízo acumulado, dia após dia, para a educação nos mais diversos níveis, inclusive no processo de alfabetização. Vamos pagar o preço por isso, mas as famílias e principalmente as crianças já têm sofrido o efeito desse descaso”, pontuou.

Recentemente, foi aprovado na Câmara Federal o projeto de Lei 2.228/2020, de autoria do parlamentar, que determina aos estados, aos municípios e ao Distrito Federal a realização de levantamento anual de demanda por creches para crianças com até três anos de idade. Pedro detalha que é na primeira infância que se inicia a alfabetização, muitas vezes realizada nas creches, que também tem estado fechadas na maior parte do Brasil.

“Especialistas relatam uma série de benefícios da creche, que prepara a criança para aprender a ler e escrever, amplia vocabulário e acelera o desenvolvimento. Esse é mais um passo para garantir o acesso das pessoas que não possuem privilégios ao acesso à educação, para que ela cumpra seu papel de inclusão e instrumento de transformação de vidas”, ressaltou.

Em tramitação

Aprovado na Câmara em 24 de agosto, o projeto aguarda apreciação no Senado Federal. Após a votação, deve seguir para sanção do presidente Jair Bolsonaro. Conforme o projeto, os dados sobre a oferta de vagas serão reunidos a partir da implementação de estratégias de busca ativa de crianças, envolvendo órgãos públicos de educação, assistência social, saúde e proteção à infância, bem como organizações da sociedade civil organizada. Cada município, estado e Distrito Federal organizarão listas de espera com base no levantamento da demanda não atendida.

Primeira infância e educação

Um estudo realizado pela Effective Provision of Pre-school Education Projetc (EPPE) mostrou que a experiência pré-escolar é importante, principalmente, para crianças de famílias em situação de vulnerabilidade social. Três mil crianças foram acompanhadas por quatro anos, e a análise revelou que o ingresso precoce ao ambiente escolar garante melhor autonomia, concentração e sociabilidade.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade
Publicidade

Notícias relacionadas

Política

A Prefeitura de João Pessoa mantém a vacinação contra a Covid-19 nesta segunda-feira (17) para as crianças, de 5 a 11 anos, com comorbidades...

Política

O deputado federal e pré-candidato ao Governo da Paraíba, Pedro Cunha Lima (PSDB), vem cumprindo uma agenda passando por 17 municípios do Sertão, Cariri...

Política

Levantamento realizado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) aponta que um em cada sete jovens pode sofrer transtorno mental por causa...

Política

A Prefeitura de Lucena divulgou nota esclarecendo a antecipação na aplicação das vacinas contra covid-19 em crianças. A gestão acusa uma auxiliar pelo erro....

Copyright © 2020 js freelas.