Tempo no trabalho de mulher que sofre violência é 22% menor – André Gomes
Siga nas redes sociais

Política

Tempo no trabalho de mulher que sofre violência é 22% menor

As agressões restringem o desenvolvimento das potencialidades da mulher, inclusive a sua inserção e produtividade no mercado de trabalho. Dados da pesquisa “Violência doméstica contra a mulher e o impacto no trabalho” mostram que enquanto a duração média do emprego para as mulheres que não sofrem violência é de 74,82 meses, a das que sofrem violência é de 58,59 meses, uma redução de 22%.

Neste domingo (1º), Dia do Trabalhador, a deputada estadual Camila Toscano (PSDB) defendeu medidas que tirem a mulher do ciclo de agressão, bem como a implantação de programas voltados ao encaminhamento para o mercado de trabalho. A parlamentar sugere a implantação de uma plataforma digital com vagas de emprego voltadas para mulheres vítimas de agressão.

“A falta de um emprego afeta diretamente a autonomia econômica da mulher e amplia a sua dependência do parceiro, mantendo-a no ciclo de violência. As empresas precisam embarcar nessa luta, abrir espaço para mulheres vítimas de violência”, destacou.

De acordo com Camila, um dos principais mecanismos pelo qual a violência doméstica pode afetar a produtividade da mulher é por meio da deterioração da saúde. “A violência doméstica pode comprometer as funções cognitivas da mulher tais como concentração e memória, afetando o desempenho no trabalho. Esse é outro tema que precisamos debater e buscar soluções diante dessa realidade tão cruel que é a violência contra a mulher”, afirmou.

Dados

A pesquisa mostra ainda que 47% das mulheres nordestinas perderam de um a três  dias de trabalho por conta das agressões sofridas; 22% de quatro a sete dias; 20% de oito a 29 dias; e 12% perderam 30 dias ou mais.

Salário

Considerando o valor do salário-hora em R$ 8,16 e uma jornada de 8 horas de trabalho/dia, a pesquisa estima que aproximadamente R$ 64,4 milhões da massa salarial são perdidos como resultado da falta de oportunidade causada pela violência doméstica contra as mulheres nas capitais nordestinas.

Os menores salários encontram-se no grupo de mulheres negras que são vítimas de violência, enquanto os maiores salários estão no grupo das mulheres brancas que não sofrem violência. É digno de nota que as mulheres brancas que sofrem violência doméstica ainda assim recebem um salário maior que as mulheres negras não vitimadas por esse tipo de violência.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Publicidade
Publicidade

Notícias relacionadas

Política

O governador João Azevêdo esteve, neste sábado (21), no município de Cubati, no Curimataú paraibano, ocasião em que inspecionou as obras da primeira etapa...

Política

O governador João Azevêdo participou, na noite desta sexta-feira (20), na cidade de Monteiro (5ª Região Geoadministrativa), da audiência do Orçamento Democrático Estadual, oportunidade...

Política

A Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) realizou sessão solene, nesta sexta-feira (20), na Cidade de Cajazeiras, para a entrega de honrarias a diversas autoridades...

Política

O governador João Azevêdo visita, neste sábado (21), a região do Curimataú, onde visita e inaugura obras nas áreas da educação, saúde e assistência...

Copyright © 2020 js freelas.