Pedro apresenta projeto para sustar portaria que extingue cotas para negros e indígenas – André Gomes
Siga nas redes sociais

Política

Pedro apresenta projeto para sustar portaria que extingue cotas para negros e indígenas

A portaria foi assinada pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub, no dia em que ele deixa o Ministério

Foto: Assessoria

O deputado federal e presidente da Comissão de Educação da Câmara Federal, Pedro Cunha Lima (PSDB), apresentou um Projeto de Decreto Legislativo para sustar os efeitos da Portaria 545, publicada nesta quinta-feira (18) no Diário Oficial da União, que acaba com as exigências para adoção, manutenção e aprimoramento de cotas para negros, pardos, indígenas e pessoas com deficiência em cursos de pós-graduação nas universidades e institutos federais, o que inclui programas de mestrado e doutorado.

A portaria foi assinada pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub, no dia em que ele deixa o Ministério, e revoga, por sua vez, uma outra portaria, a de número 13, de 11 de maio de 2016, que determinava às instituições de ensino superior a adoção de programas de cotas para ampliar a “diversidade étnica e cultural” no corpo discente.

“Essa revogação demonstra o absoluto descompasso entre a gestão do Ministério da Educação e as prioridades da sociedade brasileira. Esse ato é inadequado, inoportuno, incoerente e insensível. Evidencia as preocupações da pasta mais importante do governo, que neste momento deveria ocupar-se prioritariamente com a apresentação projetos de política educacional concretos para o período de pandemia e pós pandemia. Além disso, é um jeito lamentável de Weintraub se despedir”, opinou o deputado Pedro.

Ele lembrou que a então Portaria Normativa MEC nº 13, de 11 de maio de 2016, determinava a apresentação de propostas para a inclusão de negros, indígenas e pessoas com deficiência nos programas de pós graduação das Instituições Federais de Ensino Superior. Mais ainda, decretava que esses projetos deveriam ser acompanhados por comissões próprias, que garantiriam a continuidade do aperfeiçoamento dos métodos adotados. Estabelecia ainda que a Capes deveria coordenar a realização de censos periódicos para avaliar os resultados das políticas de ação afirmativa, ao passo que o Ministério da Educação iria se encarregar de acompanhar e monitorar os regramentos contidos na Portaria.

Pedro defende que as políticas educacionais de ação afirmativa são essenciais para a reparação da discriminação sofrida por grupos historicamente excluídos no Brasil. O deputado, que preside a Comissão de Educação na Câmara, disse defender as cotas raciais e aquelas para deficientes por acreditar “que elas cumprem papel primordial na ocupação dos espaços educacionais e subsequente mitigação das desigualdades sociais que assolam as pessoas para as quais se destinam as reservas de vagas”.

Além disso, o parlamentar afirmou que a pandemia do novo coronavírus e suas consequências socioeconômicas agravarão ainda mais as desigualdades existentes no país. “O Brasil está muito distante de um ideal civilizatório de inclusão. Os últimos episódios de atentados contra a vida de pessoas negras, que ocorreram durante o período de isolamento social e que reverberaram por todo o país, são apenas os retratos mais recentes do cenário desolador”, lamentou.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade
Publicidade

Notícias relacionadas

Política

A Prefeitura de João Pessoa segue, nesta terça-feira (19), sua campanha de vacinação contra a Covid-19 iniciando a imunização da terceira dose em idosos...

Política

A chapa Atitude OAB – que disputa o comando da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Paraíba (OAB-PB) – foi registrada nesta segunda-feira (18)....

Política

O deputado estadual Cabo Gilberto Silva (PSL)  que ingressou, nesta segunda-feira (18), com uma ação no Superior Tribunal de Justiça (STJ) para suspender os...

Política

Nesta segunda-feira (18), a Paraíba divulgou o primeiro boletim diário de atualização sobre Covid-19 sem o registro de óbitos. Foram 580 dias desde o...

Copyright © 2020 js freelas.