Projeto de Jutay cria programa para proteger policial durante gestação – André Gomes
Siga nas redes sociais

Política

Projeto de Jutay cria programa para proteger policial durante gestação

Atualmente, independentemente do gênero, os policiais são submetidos a plantões normalmente de doze horas, em escalas ininterruptas, que podem acontecer em períodos noturnos ou diurnos e finais de semana, podendo ser convocados a qualquer momento para participarem de operações sujeitas à periculosidade ou insalubres, cujas condições podem acarretar algum risco à saúde do agente. Pra proteger as policiais grávidas, o deputado estadual Jutay Meneses (Republicanos) apresentou na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) o projeto de Lei 479/23 que cria o Programa Paraibano de Proteção à Policial Gestante.

O Programa visa assegurar que as profissionais sejam dispensadas de atuarem em operações, transferências de presos, plantões noturnos e outras situações consideradas inadequadas para as servidoras gestantes. “Todas as mulheres possuem o direito de usufruir de uma gestação saudável e sem riscos tanto para elas, como para o feto e com a policial gestante não é diferente”, destacou.

Jutay explicou que a ausência de regulamentação específica quanto às policiais gestantes faz com que ajustes relacionados à flexibilização da escala fiquem a critério exclusivo dos superiores hierárquicos, o que nem sempre viabiliza condições isonômicas às servidoras nessa situação. “A presente proposta objetiva contribuir para com a correção dessa distorção, buscando as alterações necessárias na legislação em vigor para que o tratamento diferenciado às policiais gestantes e lactantes independa de negociações pontuais e concessões individualizadas”, disse.

De acordo com o projeto, durante o período de gestação, a policial gestante não participará de atividades que demandem trabalho em ambiente externo à repartição, contato direto com pessoas detidas, jornada diária superior a oito horas, em período noturno, com acúmulo de funções em locais distantes ou que, de qualquer forma, ofereçam risco à policial gestante ou ao feto.

O projeto garante ainda que fica facultado à policial gestante, no período de gestação, optar por trabalhar exercendo as funções, desde que apresente documento autorizativo assinado pelo médico que acompanha a gravidez. Nos casos em que a policial gestante for a única servidora disponível no momento para determinada atividade, o superior hierárquico deverá justificar, por escrito, a sua designação para as funções estabelecidas.

Garantia

Após o término da licença-maternidade, a policial terá o direito de retornar à função anteriormente exercida, preferencialmente com as mesmas atribuições, no mesmo local, equipe, jornada, horário de trabalho e benefícios que detinha antes do afastamento, devendo-se manter sua estabilidade pelo período de um ano.

Fica ainda facultado à policial, antes do término do período de um ano de estabilidade mediante sua expressa manifestação, abrir mão dessa estabilidade. Também é proibida a redução remuneratória da policial gestante, desde o início da gestação até o término da licença-maternidade, fazendo ela jus a todas as vantagens do cargo ou da função-atividade.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − 5 =

Publicidade
Publicidade

Notícias relacionadas

Política

A Federação das Associações de Municípios da Paraíba (Famup) conclama prefeitos e prefeitas da Paraíba a votarem na ‘chapa da renovação’, na eleição da...

Política

A 2ª Câmara do Tribunal de Contas da Paraíba, reunida na manhã desta terça-feira (20), impôs ao prefeito de Cacimba de Areia, Paulo Rogério...

Política

Os parlamentares estaduais aprovaram, nesta terça-feira (20), o projeto de lei 895/2023 de autoria da deputada Camila Toscano (PSDB), que institui a Campanha de...

Política

“É difícil viver em uma área de risco, principalmente na beira do rio”. O desabafo é da dona de casa Cleide Ambrósio, que vivia...

Copyright © 2023 Feito com JS Dev.