Com aumento da violência doméstica, projeto sugere criação de banco de empregos para vítimas – André Gomes
Siga nas redes sociais

Política

Com aumento da violência doméstica, projeto sugere criação de banco de empregos para vítimas

Levantamento do Datafolha, encomendado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, “Visível e invisível: a vitimização de mulheres no Brasil”, realizado em 2021, mostra que 4,3 milhões de mulheres de 16 anos ou mais (6,3%) foram agredidas fisicamente durante os dois primeiros anos da pandemia da covid-19. Isso significa dizer que a cada minuto, oito mulheres apanharam no Brasil no período. A pesquisa comprova que a falta de emprego e de recursos financeiros foram os principais fatores apontados para que a mulher não tenha conseguido romper com o ciclo de violência.

Para garantir a autonomia e dignidade às mulheres com oportunidades de trabalho, a deputada estadual Camila Toscano (PSDB), apresentou na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) o Projeto de Indicação 3.782/22, que cria o Banco de Emprego para Mulheres Vítimas de Violência.

“Esse projeto é pautado na concepção de caminhos para garantir a independência financeira que é fundamental para que as mulheres vítimas de violência doméstica possam ter oportunidades de recomeçar a vida sem a dependência do agressor. O projeto é uma ação afirmativa, viés de um estado social, que precisa romper com discriminações históricas sobre a falta de oportunidades às mulheres e, principalmente, àquelas que sofrem maus tratos dos seus companheiros”, defendeu Camila.

Denominado de ‘A Vez Delas’, o Banco de Emprego contará com a participação de entidades e órgãos públicos estaduais, federais e municipais e o estabelecimento de parcerias com o setor privado, observadas a vocação profissional da beneficiária e a busca de padrões remuneratórios compatíveis com os praticados no mercado de trabalho.

Tipos de violência

O tipo de violência mais frequentemente relatado pela pesquisa Fórum Brasileiro de Segurança Pública da ofensa verbal, como insultos e xingamentos. Cerca de 13 milhões de brasileiras (18,6%) experimentaram esse tipo de violência; 5,9 milhões de mulheres (8,5%) relataram ter sofrido ameaças de violência física como tapas, empurrões ou chutes; cerca de 3,7 milhões de brasileiras (5,4%) sofreram ofensas sexuais ou tentativas forçadas de manter relações sexuais; 2,1 milhões de mulheres (3,1%) sofreram ameaças com faca ou arma de fogo; 1,6 milhão de mulheres foram espancadas ou sofreram tentativa de estrangulamento (2,4%).

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Publicidade
Publicidade

Notícias relacionadas

Política

O Ministério Público Eleitoral (MP Eleitoral) na Paraíba lançou nesta quinta-feira (11), Dia da Justiça, a segunda fase da campanha de combate à violência...

Política

A Prefeitura de João Pessoa segue, nesta sexta-feira (12), com as ações da campanha de vacinação contra a Covid-19 na rede pública de saúde...

Política

Reunido em sessão ordinária híbrida, nesta 4ª feira (10), sob a presidência do conselheiro Nominando Diniz – em virtude de viagem institucional do presidente...

Política

A vereadora Fabíola Rezende (PSB) alertou para a campanha “Agosto Verde”, que visa conscientizar sobre a leishmaniose, doença que acomete cães, que é transmitida...

Copyright © 2020 js freelas.